segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Cinza



Está tudo cinza.

Me nego a aceitar que no que vivemos hoje é uma sociedade.

Vivemos a hipocrisia. ´´Hipocrisia é o ato de fingir ter crenças, virtudes, ideias e sentimentos que a pessoa na verdade não as possui. Um exemplo clássico de ato hipócrita é denunciar alguém por realizar alguma ação enquanto realiza a mesma ação, ou pior.`` O entre aspas copiei do Wikipédia.

Tenho a mágoa de conhecer gente assim.

Vivemos o caos. Têm visto jornal? Lido? Saído de casa depois das 22h?

Certamente com medo e pressa. Acuado. Você pode negar e lançar um olhar otimista sobre tudo, claro! É bom ser otimista. O otimismo traz esperança e precisamos dela. Mas de olhos bem abertos.

Temos que vigiar.

A explosão das redes sociais não é por acaso, nos isolamos de nós mesmos, nos omitimos em relação ao próximo que se omite também e os desdobramentos são infinitos. Não se mede mais nada, o bom senso foi pelo ralo.

As redes sociais nos protegem. Camuflam. Tudo é bonito, todo mundo é do bem... Só que não.

Se há em um grupo de 10 pessoas, 8 estão no celular. Se escondendo. É mais fácil interagir com algo em que se exerça o poder absoluto. Liga, desliga e pronto. Esquecem que pessoas não são assim. Pessoas são chatas. Precisam de conversa, afinidade, amizade, afeto, consideração e respeito. Isso dá trabalho.

Dá trabalho interagir... dá trabalho ser normal. No mínimo normal. Então para que? Vamos vestir um sorriso, dois tapinhas nas costas e articular amizades por conveniência.

Vamos ser cinza, gris: mais ou menos. Sabe? meio termo. Nem quente nem frio. Vamos ser uma interrogação.

Cinza, o que resta depois da uma queimada. Onde antes havia o verde... Onde havia solo fértil... 

Cinza. Só.

Não? vamos radicalizar então!

Vamos para as ruas protestar destruindo o comércio. Isso faz todo sentido! Só que ao contrário.

Protestar por qualquer coisa destruindo outra é como protestar pela virgindade fazendo sexo. Impor respeito usando de força é ditadura. Falso moralismo.

É oficial, a sociedade ruiu.

O mundo em si ainda é um lugar bom, está é mal administrado mesmo.

Está tudo invertido. Ao contrário como dito na música.

Se está tudo do avesso, vou seguindo no meu erro então. Sendo gentil com garçons, pedindo licença, por favor e desculpas.

Vivendo. Leve.

E não apenas passando pela vida.

Dr. Bruno Cabral, outubro de 2013.

´´Vamos celebrar
A estupidez humana
A estupidez de todas as nações
O meu país e sua corja
De assassinos
Covardes, estupradores
E ladrões
Vamos celebrar
A estupidez do povo
Nossa polícia e televisão
Vamos celebrar nosso governo
E nosso estado que não é nação
Celebrar a juventude sem escolas
As crianças mortas
Celebrar nossa desunião
Vamos celebrar Eros e Thanatos
Persephone e Hades
Vamos celebrar nossa tristeza
Vamos celebrar nossa vaidade
Vamos comemorar como idiotas
A cada fevereiro e feriado
Todos os mortos nas estradas
Os mortos por falta
De hospitais
Vamos celebrar nossa justiça
A ganância e a difamação
Vamos celebrar os preconceitos
O voto dos analfabetos
Comemorar a água podre
E todos os impostos
Queimadas, mentiras
E sequestros
Nosso castelo
De cartas marcadas
O trabalho escravo
Nosso pequeno universo
Toda a hipocrisia
E toda a afetação
Todo roubo e toda indiferença
Vamos celebrar epidemias
É a festa da torcida campeã
Vamos celebrar a fome
Não ter a quem ouvir
Não se ter a quem amar
Vamos alimentar o que é maldade
Vamos machucar o coração
Vamos celebrar nossa bandeira
Nosso passado
De absurdos gloriosos
Tudo que é gratuito e feio
Tudo o que é normal
Vamos cantar juntos
O hino nacional
A lágrima é verdadeira
Vamos celebrar nossa saudade
Comemorar a nossa solidão
Vamos festejar a inveja
A intolerância
A incompreensão
Vamos festejar a violência
E esquecer a nossa gente
Que trabalhou honestamente
A vida inteira
E agora não tem mais
Direito a nada
Vamos celebrar a aberração
De toda a nossa falta de bom senso
Nosso descaso por educação
Vamos celebrar o horror
De tudo isto
Com festa, velório e caixão
Tá tudo morto e enterrado agora
Já que também podemos celebrar
A estupidez de quem cantou
Essa canção
Venha!
Meu coração está com pressa
Quando a esperança está dispersa
Só a verdade me liberta
Chega de maldade e ilusão
Venha!
O amor tem sempre a porta aberta
E vem chegando a primavera
Nosso futuro recomeça
Venha!
Que o que vem é Perfeição!...``


Renato Russo. 

terça-feira, 18 de junho de 2013

Muda Brasil !


18 de junho de 2013. Aniversário de 04 ANOS do meu amado e semi-abandonado blog. E eu não poderia ganhar presente maior do que o que o povo está fazendo nas ruas. A hora da mudança chegou!

E nesse aniversário vou escrever um dos textos dos quais já tenho mais orgulho.

Parabéns Contemporâneo, obrigado por me ´´aturar`` tantos anos. Todos os meus desabafos estão aqui, uns bons e outros ruins, mas todos aqui. E segue mais um. GOGOGO!

O Brasil acordou?

O povo brasileiro redescobriu a capacidade que tem?

Tomara.

Aos 29 anos de idade tenho o privilégio de experimentar um sentimento novo, um calor no coração e o ORGULHO DE SER BRASILEIRO.

Só tenho a agradecer por este povo que iniciou o movimento mais digno dos últimos tempos, por ter ido às ruas e nos permitir gritar tudo o que estava preso na garganta.

CHEGA DESSE ESTUPRO MORAL.

Chega dessa violência contra nossos direitos básicos.

Pode não dar em nada? Pode ser em vão?

NÃO PODE. Não deve. Não creio nisso.

Voltamos a alimentar esperanças e a acreditar que, de fato, todo poder emana do povo.

E o povo unido jamais será vencido. É clichê sim! Mas também é VERDADE absoluta sim!

Políticos são nossos empregados. Em países de primeiro mundo eles nem salário possuem, recebem apenas uma ajuda de custo. E aqui são celebridades?

ESSA PORRA TEM QUE TER REGULAMENTO!

Não estão cumprindo o acordo? VAMOS DEMITÍ-LOS. Como?

Nas urnas! É só apertar um botão e mudamos a história do país.

Somos todos humanos e queremos o mesmo: dignidade, respeito e acesso.

Precisamos aprender de uma vez por todas que um ´´bolsa cala boca`` não nos cala mais, não nos compra mais. A miséria no sertão nordestino TEM SOLUÇÃO! Imaginem UM BILHÃO DE REAIS investidos na obra do Maracanã (para citar só um exemplinho entre milhares) (para gringo ver) convertidos em medicamentos e outras coisas básicas para esse povo. Para todo o povo!

Algum político vai ou leva seus familiares aos hospitais públicos quando precisam? Eles tratam seus problemas de saúde onde?

Quando seu filho ficar doente você vai levar ele onde? Ao Maracanã de primeiro mundo?

Num país como o Brasil passando pelo que passamos construir um estádio de primeiro mundo é como querer fazer um bolo começando pelo glacê. NÃO FAZ SENTIDO.

TEM MUITO QUE SER FEITO ANTES DISSO.

E não quero fazer aqui insinuações ao PT – Lula – Dilma apenas. As indignações são para todos os Deputados, Vereadores, Prefeitos e Governadores de todos os partidos.

O que há com vocês? Somos todos humanos. Todos iguais. Custa fazerem pelo menos 60% do que prometem? Com nossos recursos naturais e boa gente (em regra) seríamos a maior potência socioeconômica mundial.

Converter os bilhões investidos em infraestrutura para qualquer evento do Brasil em tudo o que manda nossa Constituição Federal é o BÁSICO.

Pouco? Talvez em longo prazo seja pouco, mas é mais do que se tem hoje.

É mais do que esperávamos, pois sucumbíamos sem esperanças. Por isso os ´´bolsa qualquer coisa`` surtem tanto efeito. Compra de votos com dinheiro do povo. É assim: pagamos impostos para serem convertidos em serviços para o povo. Não fazem isso dizendo que não há dinheiro, mas como são MUITO LEGAIS, vão nos fazer o grande favor de dar uma ajuda para não morrermos de fome.

NÃO FODE! O dinheiro que vocês (políticos) administram é nosso. É MEU! É seu que está lendo.
Mas votam pela comida contada no prato. Coronelismo lembra? Voto de cabresto quase. Ou totalmente sei lá...

Terminam votando por uma condição menos sub-humana pelo menos naquela semana...

Naquele dia.

O grande golpe está em criar a dificuldade para vender a facilidade. É mais barato bancar ´´bolsas qualquer coisa`` do que de fato investir pesado em proporcionar a esse povo acessibilidade definitiva.

O paliativo é mais vantajoso nas urnas.

Afinal, qual político quer um povo bem alimentado, educado e guerreiro? Um povo que vote com base no que de fato esse ou aquele candidato tem de bom para oferecer?

NENHUM. (Ok, há uma ou outra rara exceção).

Mas em regra o político quer o povo escravizado de suas próprias necessidades.

E há gente que apoie isso. Pasmem.

Quais medidas estão sendo tomadas para solucionar a miséria? Desemprego? Falta de hospitais?

Dinheiro tem! Claro que tem!

Estão aí os investimentos para Copa disso ou daquilo que não nos deixam mentir.

Por isso, eu digo: FODA-SE quem não gostou das vaias na abertura dos jogos. Se você acha que se trata de falta de educação passe a ter certeza. Falta de educação, saúde, segurança, saneamento básico e etc... 

Mas estádios temos né? Trágico. E dizer que o legado que vai ficar para o Brasil depois dos eventos não cola mais. Cadê a grande estrutura de segurança que teríamos depois dos jogos Panamericanos? 

Os políticos e uma determinada parcela da população precisam esquecer o que querem e aceitar o QUE MERECEM! 

Todo governo corrupto merece muito mais do que vaias, merece ser escorraçado sob o olhar do mundo.

Andamos COM MEDO nas ruas por culpa dessa má gestão do dinheiro público. Nossos familiares são mortos, assaltados, estuprados, corrompidos, drogados graças a essa ABSURDA falta de estrutura em segurança pública.

O MUNDO PRECISA SABER. O MUNDO ESTÁ SABENDO que o GIGANTE ACORDOU.

COPA DO MUNDO É O CACETE. Queremos segurança, educação e hospitais.

Vamos reclamar TUDO que é nosso por direito. Qualquer abuso desde uma compra que não saiu como gostaríamos aos direitos garantidos pela Constituição Federal.

NÃO ESTAMOS PEDINDO FAVOR.

Sem violência!!! Pacificamente e com inteligência. 

Mas FODA-SE O SISTEMA. 

Ficar de mimimi e por favorzinho também não resolve. Não resolveu até hoje. Esse sistema não me representa.

Toda mudança encontra resistência.

MAS SOMOS BRASILEIROS E NÃO DESISTIMOS NUNCA!

VIVA A DEMOCRACIA!

VIVA A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.

Bruno Cabral - Junho de 2013. 


segunda-feira, 11 de março de 2013

Nem lembro.



Nem lembro mais o momento em que comecei a caminhar,
Nem lembro mais como caminhar, os dias se arrastam.
Nem lembro quando me acostumei com tanto peso, tanto pesar.
Mas pra que lembrar se esquecer ajuda a amenizar?

Angustiante.

Mas tudo bem, acho que já nem sei como demonstrar insatisfação.
Nem lembro mais o momento em que pensei que dava conta.
Mas de tanto acreditar nisso, dei conta.
Dou conta! mas a que preço?
Nem lembro mais do que realmente preciso...

Chego em casa e nem lembro a hora que saí, durmo quase sem saber a hora. Quando durmo.
 E também nem lembro porque me preocupar com isso. Respiro fundo e sigo...

Adiante.

No final dos dias somos só nós mesmos com nossos pensamentos.

E eles são nossos anjos e demônios, depende do dia.

Ou da noite.

Bruno Cabral – Iniciado em junho de 2012 finalizado em Março de 2013. 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Mentira


Todo dia vivemos alguma.

Quando não vivemos DE alguma.

Mas mentir é preciso, dizem alguns. Por sobrevivência, a mentira é o lubrificante social.

Mentira!

Mentimos para esconder fraquezas, fracassos de condutas e escolhas. Delírios de vaidade e egoísmo mascarados por sorrisos treinados despercebidos por olhos destreinados.

Pessoas de mentira.

Mentimos para nós mesmos, claro! Seria insuportável viver admitindo nossos erros ou escolhas mal feitas. Não para os outros, mas para nós mesmos.

E quando admitimos, mentimos inventando justificativas que façam nossos erros parecerem aceitáveis. Somos ridículos.

Pequenos.

Se não somos capazes de sermos sinceros para nós mesmos, seremos para quem?

É cômico, quando não trágico.

Lembram do ´´só a verdade vos libertará`` ?

Então...

É mentira.

Vivemos os dias do ´´só a verdade nos condenará``.

E isso meus caros,

É a tal verdade em extinção.

Bruno Cabral, Setembro de 2012.

domingo, 29 de julho de 2012

Domingo


Meu domingo certamente é diferente do domingo da maioria.

Isso porque eu não vou ao Maracanã... fui uma vez mas;
Não sou muito de torcer pelo time que sou fã.
Na verdade, não sou muito fã de time de nada... mas sou Flamengo.
Até gosto de ser flamengo mas não passo disso, do ´´ser Flamengo``.

Por não gostar muito de barulho e bagunça dispenso os foguetes e bandeiras...
Bandeira só a do Brasil mesmo, aliás, amo ver nossa bandeira flamulando.
Troco facilmente a arquibancada por uma cadeira numerada;
Acho meio exagerada essa coisa de emoção...

Porque meu jeito, bota pra ferver
E quem não gosta dele espero que vá se...
Ôôô!

Bruno Cabral, Julho de 2012.

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Dia dos amigos 2012


Tanta gente fala tanta coisa desse dia... Eu mesmo já disse bastante.

E o que dizer agora?

Bom, vamos pelo básico: feliz dia dos amigos para todos nós!

Feliz dia dos amigos aos amigos que possuem amigos verdadeiros... Feliz dia dos amigos principalmente àqueles que sabem ser amigos verdadeiros!

É disso que tudo se trata: trocas.

Receber amizade é algo incrível, saber que não estamos sozinhos é grandioso.

Se você possui um amigo, faça sempre questão de deixar bem claro o quanto você o mantém close to the heart.

Não desdenhe da palavra amizade. Não a manipule. Não seja mais ou menos amigo.

Aliás, não seja mais ou menos nada. Ou é ou não é. E se for, seja com força.

Intensidade sabe?  Sangue nas veias e tal...

Sou um privilegiado, pois aprendi a filtrar e manter apenas os poucos e bons... E sou mais feliz ainda por ter passado pelo filtro destes mesmos.

Não faço questão de acumular amizades, já faz tempo que venho apenas me dedicando a manter as verdadeiras que possuo.

Mas quem quiser chegar para o lado de cá, é só um pré-requisito:

Não esteja amigo, SEJA amigo.

Bruno Cabral, 20 de julho de 2012.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

E mais um ano se passou...


Sim, no último dia 18 de junho de 2012 o Contemporâneo ficou mais velho, completou 3 anos de existência.

E ao longo desses 3 anos é absolutamente perceptível meu amadurecimento, como pessoa e como escritor (ui ele é escritor, rs). Acho que venho filtrando bem mais minha opinião sobre tudo.

A verdade é que a gente percebe com o tempo que muitas das coisas simplesmente não mudam, e por isso, deixam de valer a pena qualquer tipo de crítica ou comentário.

Pelo menos na frequência e ritmo que eu vinha impondo aqui.

Hoje fiz uma retrospectiva dos textos que postei e percebi que, invariavelmente, meus textos marcaram épocas da minha vida, experiências que registrei e dividi com muitos dos meus amigos, colegas e conhecidos.

Por isso, aos que tiveram paciência de, vez ou outra, dar um pulo aqui e me prestigiar, deixo meu muito obrigado pelo carinho. Saibam que tudo isso é como um resumo da minha vida. Devidamente editada e censurada claro! rs.

E que graça teria desabafar tudo para um blog se não fossem os comentários de vocês?

Voltem sempre!

Continuo desejando e buscando o melhor para mim e para os meus, através de atitudes saudáveis e inteligentes. Saber escolher é preciso. É fundamental.

Me orgulho e repetiria 98% das minhas escolhas.

Valorizo muito meus poucos e bons amigos, às vezes até demais. Inversa e proporcionalmente, excluo os que não me interessam, os que não se fazem interessar. 


Pessoas interessantes e de bom senso estão em absoluta extinção.

E para os dias de guerra,

Dou meu sorriso de demônio, jogo uísque nas feridas;

Respiro fundo e continuo...

Sempre.

Bruno Cabral, Junho de 2012.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Sorrisos


São tantos...

Há o sorriso que protege e acolhe... E o que abala, sacode;
O manso de rosto inteiro e o de canto de boca sorrateiro;
Ah o arteiro! Sorriso bom é o de corpo inteiro!

O sorriso bobo apaixonado é amigo do largo exagerado;
Sorriso não tem regra, nem hora. Ele chega e vai embora;
Mas volta, muitas vezes, nos lábios de quem não se espera ou se implora.

Acredito que o sorriso seja o raio-x da alma, revela mais do que se pode ver;
Ou sentir... e prever;
O sorriso se joga, se deixa. Te levanta e te beija!

Por ser sorriso vale até o sem graça;
Mas convenhamos...
Feliz é quem tem um que cala e abraça.

Bruno Cabral, Abril de 2012.

sábado, 24 de março de 2012

Lei da vida

Dizem por aí que a mudança é a lei da vida.

Pois então, no ano que meu amado blog Contemporâneo completará 3 anos (em junho de 2012), decidi que era hora de mudar alguma coisa por aqui e bem, cá estamos.

Tudo novo, e para que todos possam comparar, segue uma foto do antigo layout.


Mantive algumas peculiaridades que fazem muito sentido para mim. O relógio, que é uma das poucas paixões que tenho, aprecio e procuro aprender tudo que posso sobre sua história, sem contar que não saio de casa sem.

A ampulheta (já a acharam?) é por um motivo mais peculiar: a lembrança mais remota que tenho de brincar com alguma coisa é a de brincar com uma ampulheta. Lembro de ficar virando e virando vendo a areia passar de um lado ao outro e pensava: ´´uau! que fantástico! e o tempo é sempre o mesmo!`` Tenho plena convicção de que isso reflete em meu comportamento até hoje, nessa minha mania de medir tudo que faço, dosar, calcular e encaixar num determinado tempo. 

Gosto de ter essa lembrança.

Para terminar este micro post, aproveito para trazer um texto, dos raros que escrevi a lápis, do nada, no escritório, e que tem absolutamente a ver com as novidades de hoje.

Vamos a ele: 

Mude.

E não emudeça;
Mudar sempre, mudar quando estiver tudo bem, sem precisar;
Mudar com vontade e nunca mudar por mudar;
Mudar para melhor, muito!
O igual cansa, enjoa, desgasta.

Mudar não é não ter personalidade, não é ser volátil;
Mudar é mais! mudar é mister;
Mudar é mágico, marcante;
Então, malandramente mude!

Ou se mude.

Bruno Cabral - Março de 2012.

Obs.: Espero que gostem, deu trabalho! especialmente fazer a ampulheta parecer que já fazia parte do fundo, tendo em vista que ela foi um elemento elaborado separadamente de toda arte.  


quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Tá na moda?



E como está! Nunca esteve tão na moda estar na moda...

Até pouco tempo atrás, a moda era vista em novelas, filmes e desfiles internacionais onde a gente criticava as modelos bulímicas e as nossas mulheres suspiravam... Era legal, distante e eventualmente interessante.

Era. Essa época passou.

Agora, o ser vai para um aniversário na esquina e quer estar usando as últimas tendências de Milão!

Pelo amor de Deus!

Lembram de um comercial que dizia: ´´chique é ser inteligente`` ? Então...

O marketing desse comercial não poderia ter sido mais perfeito.

E não acho nada inteligente viver em função do que a moda ou qualquer outra influência exterior dita. Personalidade meu povo! Gogogo!

Isso sem falar no BOOM de blogs de moda de um tempo para cá...

Para estar na moda não basta ser escrava das tendências, tem que ter um blog de moda! Uma exposição sem fim com raras exceções...

Vide as herdeiras de famílias milionárias que não tem preocupação com nada, vivem como blogueiras e ganham dinheiro para viajar e divulgar marcas dos verdadeiros grandes empresários do mundo da moda, estão de parabéns.

Choram e tudo assistindo o Diabo veste Prada. rs

Por favor, amigas e conhecidas que tem blogs de moda, não me detestem, podem falar mal do meu blog de textos chatos e repetitivos e que eu me exponho também ok?

Acho justo.

E voltando ao assunto, claro que sou a favor da beleza... Acho bacana a pessoa se preocupar com a estética, se cuidar e procurar se vestir de maneira adequada, mesmo! E quando isso tudo leva a um cuidado maior com a saúde então, nota 10! As academias estão aí para isso...

Mas daí a virar escrava da moda é de ter dó. Conheço pessoas que não tem mais personalidade ao se vestir, se a moda disser que a tendência é usar uma banana na cabeça na feira de domingo, dito e feito.

Lamentável...

A pessoa que é bonita, aos meus olhos, fica até feia de passar essa imagem submissa à moda. Feia e chata, claro.

Ah, eu estou exagerando? Estou sendo chato? Ok.

Me diz você mulher, se nunca deixou de aproveitar um calor gostoso na piscina com amigos para não estragar o cabelo? Nunca sentiu uma dor terrível nos pés para não deixar de usar aquele salto chiquérrimo? Nunca experimentou um sapato m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o que machucava seus pés e pensou: ahh uso com band-aid !

Viu? Mulher faz isso e já acha normal... não vejo sentido.

Do meu ponto de vista, e ele é só o meu ponto de vista, moda deveria ser uma pequena referência apenas. Um indicador do que os costumes sociais evolutivos estão preferindo de um modo geral, não uma doutrina a ser cegamente seguida sem limites.

Eu voto sempre no clássico, no normal e no adequado.

Mas... eu sou só eu e tenho defeitos.

O que eu não tenho é paciência mesmo.

Bruno Cabral, fevereiro 2012.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Sim, eu aceito!



Eu sempre falei que me casaria cedo, quem me conhece sabe.

Apesar de não ser lá muito fã de festas e casamentos para centenas de convidados, sempre planejei ter uma pessoa para juntar as escovas de dentes. É fundamental ter uma parceira de vida que te complete e sonhe seus sonhos ao seu lado, assim, os sonhos dela também alcançarão novos patamares e, juntos, se tornam mais, muito mais.

E já posso me considerar um felizardo. Nos dias de hoje a sociedade se encontra num estágio de coma profundo quando o assunto é encontrar pessoas de boa índole, quanto mais encontrar bons partidos.

Extinção quase total de caráter em ambos os sexos.

Mas o momento chegou, meus planos não só se concretizaram como superaram e muito o que previ. Encontrei uma pessoa que é o resumo de tudo que sempre quis e preciso para ser feliz.

É ótimo dividir, somar e multiplicar com ela.

O mais interessante é que ela não é apenas o que eu sempre quis, aprendi que eu também preciso a cada dia ser o que ela precisa! Aprendi que o amor não se trata apenas do que se quer ou precisa receber, mas também do que se quer e pode dar! E todo de todo dia se dar um jeitinho de fazer disso uma reconquista.

E tenho sido um ótimo aluno não é amor? =)

Por fim e aproveitando o texto de hoje, vou registrar aqui a surpresa que fiz para Fernanda no dia de nosso casamento. Na volta dos noivos ao salão de festas há o agradecimento, nessa hora eu peguei o microfone e não só agradeci aos seletos amigos pela presença, como também li algumas palavras que escrevi para minha esposa enquanto ela se maquiava para o casamento, algumas horas antes do evento.

E segue o texto surpresa da festa:


´´E não é que esse dia chegou

O nosso dia chegou. E logo eu que sempre fui tão ´´eu, eu e eu`` a partir de hoje também sou você.

Casamos e unimos nossas caminhadas, mas agora andando em uma mesma direção.

E sabe por que já dá certo? Por que nós acreditamos. Não precisamos de ninguém para acreditar em nosso lugar.

Quem eu permito me conhecer de fato, sabe que não me alimento de ´´quases`` Não me contento com a metade nem com pessoas mais ou menos.

É por isso que eu escolhi você. Você é meu tudo. E eu também não serei seu meio amigo ou marido mais ou menos. Sou seu homem por inteiro e em todos os sentidos!

Eu amo você!

E se alguém um dia ainda ousar não acreditar em nossa vitória, é como diz a música:

´´Quem olha não tem jeito de duvidar agora da força da paixão que tem dois corações e uma história``

Abaixo seguem as músicas que escolhemos para compor a ocasião, todas fazem parte de nossa trajetória e marcaram momentos especiais.

Entrada dos Padrinhos: Coldplay - Yellow.
Entrada da Daminha e do Pajem: Taylor Swift - Love Story
Entrada da Noiva: Versão da Banda Boyce Avenue para a música: Just the way you are (Bruno Mars).
Assinatura dos livros: Leoni - Quem além de você.
Saída dos noivos: Colbie Caillat - I do. (A tradução é bem bacana).

Bruno Cabral - Novembro de 2012.





















sábado, 29 de outubro de 2011

Rotina



A base de toda conquista é saber lidar com a rotina.

Claro que dedicação, meta, determinação entre outros fatores são cruciais, mas todos, sem exceção, demandam rotina. E lidar bem com ela enquanto se busca o almejado é para poucos.

E esses poucos, vencem.

Desde uma dona de casa ao maior empresário do ramo de tecnologia mundial, precisam criar uma rotina e perseverar nela. Acordar, estabelecer um roteiro mental para o dia, lidar inteligentemente com frustrações, não desanimar e ainda ter fibra para motivar sua equipe ou família são tarefas árduas.

E imagine isso ao longo de semanas, meses e anos. Mas a rotina é tão desgastante quanto fundamental.

Imprudente é acreditar que o bom resultado é rápido. Em palavras mais populares: querer colher antes de plantar ou não esperar o tempo certo da colheita, é fatal.

Afirmo com tranquilidade que a falta de comprometimento com a rotina é responsável por 90% das quebras de empresas, falências de casamentos, filhos mal criados e muitos outros objetivos mal sucedidos.

A lista é imensa.

Rotina é maturidade e maturidade é aceitar que o outro discorde de você.

E eventualmente a vida vai discordar de você. É nesse momento que precisamos ter a coragem e fé de fazer de tudo de novo, porém melhor, e melhor e melhor de novo e melhor ainda.

A rotina não pode vencer.

Costumo brincar com meus colegas de trabalho que não sou eu que eventualmente tenho que me preocupar com meus problemas, são meus problemas que têm que se preocupar comigo!

E eles que se cuidem!

Bruno Cabral, Outubro de 2011. 

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Mais do mesmo



Sempre...
Mesmo grupinho com as mesmas pessoas.

As mesmas invejas e mesmos recalques.
Mesmas fofocas sobre os mesmos personagens.

Mesmo descontrole pela mesma frustração.
Mesma justificativa para a mesma situação.

Mesmas falsidades em meio a amizades.
Mesmas decepções pelas mesmas vaidades.

Mesmas posturas para os mesmos problemas.
Mesmo sofrimento pelo mesmo dilema.

Mesmos risos para as mesmas coisas sem graça.
Mesmo refúgio para a mesma ameaça.

Mesmos planos para os mesmos fatos.
Mesmas consequências para os mesmos atos.

Mesmos tropeços nos mesmos cacos.
Mesmas dificuldades para os mesmos obstáculos.

Mesma escravidão com a mesma futilidade.
Mesmas atitudes em desacordo com a idade.

E apesar de tudo parecer tão igual.
Nem sempre é o mesmo meio para o mesmo final.

As mentiras mudam para continuar buscando o mau.

Como, portanto, não ser antissocial?

Bruno Cabral, Setembro de 2011.

sábado, 27 de agosto de 2011

Fomos quinininhos!

Todo mundo já foi quinininho!!

Um brinquedo preferido, as festinhas com amiguinhos correndo e os tênis piscando quando pisávamos, ouvindo Xuxa, Claro. Quem nunca roubou um brigadeiro não sabe o que é se sentir o rei da turminha.

´´Parabéns, uhul!, parabéns, uhul! Hoje é o seu dia, que dia mais feliz!!

Essa música faz rodar um flash back infantil maravilhoso na minha cabeça!

Desenhos animados e a hora de ir para a escola. Só fico decepcionado em saber que a infância de hoje está sujeita a desenhos estúpidos japoneses ou musicais vazios de conteúdo moral e repletos de banalidades. O que aconteceu com Tom e Jerry, pica pau, Monteiro Lobato e similares?

Mas o foco do texto de hoje não é esse.

Bom mesmo era o cheiro de material escolar novo. Canetinhas, lápis de cor, massinha, uniforme limpo e o coração puro. Eu lembro perfeitamente de quase todas as minhas merendeiras do He-Man e até do barulho que elas faziam quando eu abria.

Eu ficava puto quando meu suquinho vazava =(

Tinha o dia da piscina na escola e era sensacional! Tinha o amigo nerd, o amigo feio, o amigo lerdo, o gordinho, a 4 olhos, o dentuço, o de nome engraçado e o que era tudo isso junto! Se bullying fosse moda nos meus tempos de moleque, eu seria expulso tantas vezes que ainda estaria no supletivo para terminar o ensino fundamental.

Eu e todos meus amigos, claro.

Nas datas comemorativas eu já acordava triste e tentava inventar algum motivo para não ir pra escola. Vai dizer que você não tem aquela foto escrota que sua mãe forçou você a tirar vestido de coelho com direito a nariz pintadinho, orelhas e rabinho na páscoa? Ou, vestido de índio no dia dos índios? Claro que você tem e morre de vergonha dela!

Eu também das minhas.

Tudo piorava quando a gente tinha que fazer apresentações teatrais ou dancinhas com roupas ridículas geralmente fazendo um papel de pagar um King Kong. Por tudo que há de sagrado, isso não me educou, me traumatizou!

Como se tudo isso ainda não fosse o suficiente, não queriam me deixar correr no recreio, vê se pode! Eu desobedecia em absoluto! Meus joelhos ralados que o digam, né mãe?

E por falar em família, toda infância teve, em maior ou menor escala, a presença da avó. Era ela que vivia acobertando nossas artimanhas, fazendo batata frita no almoço, colocando bem pouco ou nenhum feijão no nosso prato e deixava a gente ver TV até mais tarde. Ir para a casa da avó era sinônimo de farra total. No meu caso, ela morava comigo, então quase todo dia tinha uma molezinha!

Valeu vó! E desculpa todas as vezes que eu mijei no seu sofá, sabe como é, eu era quinininho!

Bom, tive muitos momentos felizes na minha infância. E apesar de minha família ser de origem pobre, nunca faltou nada em casa. Vivi dias maravilhosos que jamais esquecerei.

Desejo do fundo do meu coração que todos tenham tido ótimas recordações de suas infâncias ao ler esse texto e que sirva de aprendizado para um dia proporcionarmos uma infância gostosa para nossos filhos também.

Que esse texto nos conscientize ainda de que a maioria dos filhos do Brasil e países subdesenvolvidos sequer tem a chance de ser criança, desde muito cedo são forçadas a trabalhar para tentar sobreviver.

E enquanto não se consegue mudar a realidade social, vamos fazendo nossa parte para transformar a nossa realidade em algo que contagie o próximo a fazer o mesmo.

Façamos um bom presente para que o maior presente das próximas gerações...

Seja um bom futuro.

Bruno Cabral, Agosto de 2011.

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Tenho amigos!


Hoje é dia dos amigos, e se você precisa dele para valorizar os seus já está errado. Todo dia é dia dos amigos, dos verdadeiros pelo menos.

´´Ah, mas hoje é especial, entra no clima Bruno!``

Entro claro, vamos lá.

Sim, tenho amigos, quem não tem?

Até nossos inimigos tem amigos, que, vez em quando, por imbecilidade nossa ou deles, viram nossos inimigos também.

Quantos amigos você tem? Melhor, quantos amigos você pensa que tem?

Se sua resposta for representada por um número maior que 3, preciso te dar uma notícia triste (mais uma de tantas aqui no blog): você está sendo enganado por alguns, ou pior, você está SE enganando por alguns.

Ou o pior do pior, as duas coisas ao mesmo tempo.

Afinal, amigos são o que? Pessoas. E pessoas são o que? Humanas. E humanos não são perfeitos. O chato é que de tempos em tempos alguns deles fazem questão de nos lembrar disso.

É por isso, que, como estava escrevendo, eu tenho amigos.

Tenho amigos que só são meus amigos quando eles precisam.

Tenho amigos que são indiferentes à minha amizade, e muito.

Tenho amigos que querem me derrubar, e acham que eu não sei disso.

Tenho amigos que trocam 13 por 3.

Tenho amigos que pensam que me manipulam.

A lista é longa, rs.

Ou seja, no geral, tenho amigos que pensam que me enganam, mas esses são até divertidos. Laboratório para linguagem corporal.

´´Ué Bruno, então eles não são seus amigos`` - você deve estar pensando.

Pois é, eu sei disso, mas eles insistem em tentar me convencer do contrário entende? rs.

Fora o fato de que, nessa altura, devem ter aquelas pessoas malas que vivem no mundo cor de rosa onde tudo é feliz e lindo e todos se amam pensando: ´´que texto chato, que garoto amargo, está assim por que em determinada situação tal aconteceu X.``

Tá... Senta ali. rs

É para você que eu quero escrever agora: A diferença entre eu e você é só de tempo e vivências, você vai chegar lá e vai lembrar do que escrevi hoje. Acredite.

E eu não estou assim tá? Eu sou assim. Você chama de amargura, eu chamo de realismo.

Então, Feliz dia dos amigos aos meus 2 ou 3 amigos verdadeiros. Obrigado pela fidelidade, amor, carinho, consideração, compreensão e paciência. É recíproco, seria péssimo viver sem vocês.

E feliz dia dos amigos aos falsos amigos também, claro! Afinal vocês são a maioria poxa! Sem vocês hoje, os bares e restaurantes ficariam vazios.

Já pensou em mesas de amigos comemorando com 2 ou 3 pessoas que chato?

Legal são os atores todos reunidos!

Teatro, a gente vê por aí!

Bruno Cabral, julho de 2011.